Friday, 10 August 2007

Pessoa versus Humano



Continuando na linha de pensamentos do post anterior, todos os seres humanos sem excepção são capaz de destruir vida, quer seja por necessidade, raiva, desespero, ou outra situação.
Já o contrário é complicado. Nem todos os seres humanos são capazes de criar vida. Eu não me estou a referir ao simples acto de procriar.

O Homem destrói não só a si próprio, quer em casos pessoais, quer em guerras globais, mas também ao seu ambiente, o seu próprio habitat. Talvez porque achem que a Terra dura para sempre, talvez porque achem que quando a terra se virar contra o Homem, ele já não cá está, ou talvez porque o que interessa é o lucro financeiro agora.
Antigamente dizia-se que eram os nossos netos e bisnetos que iam pagar a factura da nosso despreocupação com o ambiente, talvez se tivessem dito que éramos nós que íamos pagar a factura e mais cedo do que prevíamos, as coisas fossem diferentes.

Mas voltando ao ponto inicial, todos temos um demónio dentro de nós. Uns o demónio esta adormecido e so acorda de vez enquanto, outros conseguem controla-lo, outros são controlados por este.

Portanto quando alguém disser que não nenhum demónio dentro dela, não acreditem, pois é o facto de o termos que nos torna humanos.
O facto de muitas pessoas o terem adormecido ou o conseguirem controlar, não faz delas melhores seres humanos, mas sim melhores pessoas.
Pois o ser humano por natureza é bom e mau, é zero e um, é homem e mulher, é preto e branco.
A dualidade dentro de nós é o que nos torna humanos, o saber escolher o lado na altura certa é o que nos torna melhores pessoas.

2 comments:

Marco said...

"Portanto quando alguém disser que não nenhum demónio dentro dela, não acreditem, pois é o facto de o termos que nos torna humanos."

Eu acho que é o facto de sentirmos que nos torna humanos. Ao sentirmos e sofrermos com o que nos rodeia é que somos capazes de "libertar" o demónio que há em nós. Podemos nem tê-lo, mas criá-lo no momento certo de certeza que todos somos capazes, ou por vezes, criamo-lo no momento errado... mas também são os erros que nos tornam humanos.

Ou seja, podemos ter o demónio já dentro de nós... mas também temos o lado bom como o lado neutral e o humano tem é de saber lidar com os três nos momentos correctos.

Pedro said...

Mas foi isso que eu disse, é a dualidade. A luta interna entre o lado bom e lado mau(demónio).
Quantas vezes as pessoas pensam em fazer algo que vai contra as regras morais e/ou legais. Isso é o demónio a espreitar. Agora há pessoas que conseguem controlar o demónio, há outras que ele é tão fraquinho que nem precisa de controlo e há depois aquelas que não o conseguem controlar ou simplesmente nem tentam.